Tucucu.com
De onde vem o brinde entre as bebidas? | Adultos também geram novos neurônios descobertos em novos estudos | Você acha que os chamados amendoins japoneses foram feitos no Japão? | Mercados chineses vendem animais selvagens como cães e gatos novamente | Centro médico venezuelano abre em Buenos Aires | Como desativar o JavaScript no navegador Google Chrome com facilidade | Diapausa o processo de hibernação de insetos e formigas | Palavras educadas: o que é anisocoria e como saber se você tem | O que é heterocromia iridum? | Frases de sabedoria budista que você deve entender e gerenciar |

O misterio na capela Sistina e que hay detras do dedo de Deus



Quando, em 1.512, Michelangelo finalmente concluiu o afresco do teto da capela Sistina, que é considerado uma das mais famosas obras da história da arte, os cardeais responsáveis pela curadoria das obras ficaram por horas olhando e admirando o magnífica afresco. Após a análise, reuniram-se com o mestre das artes, Michelangelo e, sem pudor algum dispararam: RE-FA-ÇA!

Publicidad:

También puedes leer: Você sabe o que é um angioma vertebral?

O descontentamento, óbvio, não era com a obra toda, mas sim com um detalhe, aparentemente desimportante. Michelangelo havia concebido o painel da criação do homem com os dedos de Deus e de Adão, se tocando. Os curadores exigiram que não houvesse o toque, mas que os dedos de ambos ficassem distantes e mais: que o dedo de Deus estivesse sempre esticado ao máximo, mas que o dedo de Adão, estivesse com as últimas falanges contraídas. Um simples detalhe mas com um sentido surpreendente: Deus está lá, mas a decisão de buscá-lo é do homem. Se ele quiser, esticar o dedo, tocar-lhe-á, mas não querendo, poderá passar uma vida inteira sem buscá-lo. A última falange do dedo de Adão contraída representa, então, o livre arbítrio.

Fonte: Rupnik, Marko Ivan, A Arte Como Expressão da Vida Litúrgica, Brasília, Edições CNBB, 2019. p145

Publicidad: